Os 20 mandamentos assexuados

17 09 2008

Atendendo a insistentes e assexuados pedidos, a Lan House traz hoje pra galere os 20 mandamentos dos menines e menines assexuadinhos e assexuadinhas do seu cu. Advertimos os corações mais tarados sensíveis para as fortes cenas de assexualismo explícito expostas abaixo. Post não recomendado para cardíacos. Respirem fundo, e, com vocês:

Os Fabulosos 20 Mandamentos Assexuados

  1. Dispensarás quem te dá mole
  2. Teus amores serão tão platônicos que nem farás questão de que a pessoa exista
  3. Terás capacidade infinita para desconversar quando te cantarem
  4. Terás preguiça mortal de pegar alguém
  5. Serás absolutamente surdo para todas as conotações sexuais
  6. Jamais repararás nos belos atributos corporais de ninguém
  7. Nem te passará pela cabeça escolher uma cueca ou calcinha mais apropriada pra night
  8. Não compreenderás a literatura de Nelson Rodrigues ou Jorge Amado
  9. Se te chamarem para uma festa do cabide, preferirás ficar jogando PS3 ou brincando com seu hamster
  10. Serás incapaz de entender indiretas safadenhas
  11. Quando fores ao cinema com alguém bacana, assistirás ao filme
  12. Serás o único a não ver graça em piadas safadenhas
  13. Não verás maldade em ver tua amiga gostosa (ou amigo) trocar de roupa
  14. Acharás beijo de língua anti-higiênico
  15. Não verás outra finalidade para o teu sexo que não seja fazer xixi
  16. Comprarás uma playboy para impressionar teu pai mas só te importarás com as piadas e entrevistas
  17. Tomarás tequila com a galere e em pouco tempo estarás na cama (dormindo)
  18. Quando vires uma menine ou menine deslumbrante nuinha/peladenho, pensarás na mesma hora “gemza, mas não sente frio?”
  19. Terás preguiça mortal de te masturbares
  20. Desejarás ardentemente o sexo dos anjos

Este post miserável esclarecedor trazido para vocês por…

Luddie Von e Aleléx





Menines Querem Ser Livres – Guia Completo

18 08 2008

Nós da Lan House, como alguns de vocês já sabem, viemos parar aqui no Purgatório porque cometemos um monte de erros cafajestes, pecados miseráveis e crimes inafiançáveis – tudo contra a brinks. É por isso que, conforme explicamos na apresentação do blog (“Diretamente do Purgatório”):

Somos duas almas tortas navegando a esmo, esperando alcançar a salvação

e blá-blá-blá.

Sim, fomos condenados a vagar sem rumo pelo Purgatório da brinks, mas você não precisa correr o mesmo risco! A salvação da sua alma penada piedosa está garantida porque trazemos para vocês hoje a superior, a inacreditável, a sen-sa-cio-nal… “Ficha Libertação”! Você vai ser livre, colhega!

Juramos de pés juntos que tudo que vocês lerão nos prints abaixo (para manter a formatação original) é autêntico – nada foi inventado por nossas mentes doentias férteis – e pode ser encontrado facilmente na Internet (se duvidar da nossa palavra e quiser pesquisar, faça-o por sua conta e risco, e depois não venha reclamar…).

Quando descobrimos essa miséria maravilha, sabíamos que tínhamos na mão um tesouro. Obra-prima indiscutível, comparável apenas a clássicos universais como “A Divina Comédia – Ri Litruz”, de Dante, ou “Assim falou Zarathustra, Essa Doida”, de Nietzsche, a honorável “Ficha Libertação” é um resumo espetacular de milênios de sabedoria em gloriosas nove páginas de Word com perguntas e múltiplas-escolhas que conduzirão você, menine ou menine safadenho/safadenha, seguramente à salvação eterna, sem ter de fazer escala no Purgatório, como nós… ctzzzz

Por se tratar de um material de considerável fôlego, não poderemos dar conta de toda sua profundidade num único post. Hoje, veremos apenas os primeiros itens, só para abrir o apetite. Sugerimos imprimir as partes abaixo (ou o doc original inteiro, se você o achar na Internet), ir acompanhando nossos comentários miseráveis edificantes e responder o mais honestamente possível.

Sem mais lenga-lenga, com vocês… a “Ficha Libertação”!

Clique na imagem para ampliar

Comentários (cof, cof) edificantes da Lan House:

Admito que cometi pelo menos três dos pecados citados acima: a saber, murmuração, tráfico de escravos e saques de aldeias (este último, o que eu mais gostava de fazer). Também já roubei terras, mas, como devolvi logo (era só de brinks), acho que não conta.

Recomendo a leitura atenta de cada um dos itens citados (nem vem me dizer que você nunca se envolveu numa guerra ou nunca se embolou com a máfia, que pra cima de mim não cola… “Língua desenfreada” e “Intelectualismo”, então, pffff… admita logo!). Marque um xiszinho honesto em tudo que já fez, e bola pra frente. Conta tudo, tudinho!, porque com libertação não se brinca, colhega. Na linha final, onde diz “Outros pecados (mais acentuados)”, sijoga e abre o jogo. Mas só os mais acentuados, hein!

Prosseguindo em nossa cruzada rumo à sua libertação, advertiremos agora contra a:

Clique na imagem para ampliar

Comentários (cof, cof) edificantes da Lan House:

Embora já seja tarde pra mim e pra Luddie von, prosseguirei confessando todas as misérias que já cometi, para dar o exemplo. Coragem, Aleléx… Lá vai: Já tive fantasia sexual! Também já exerci atração sobre pessoas, isso é foda. Incesto, escapei por pouco de marcar essa, porque só fiz be-bop-a-lula com parentes distantes, e só conta com parentes próximos. Pornografia eu me safei também, porque a confiável “Ficha Libertação” é bastante clara: só conta se foi em literatura, e eu me limitei a alugar vídeos de putaria.

Sobre a parte final (que pede pra “Citar parceiros, namorados, amantes, paixões platônicas…”), tive certa dificuldade para lembrar de todo mundo no quesito “amores não correspondidos”. Agora… ninguém tem desculpa para deixar em branco as lacunas que pedem Nome, Tipo de Relação e Sentimento que vem à mente. Super importante isso. O sentimento que mais me vem à mente, aliás, é o de $&@*@#!%$#§… ai, o teclado ficou ruim!

Pronto, melhorou. Aproveito para passar à análise do terceiro e último item que abordaremos neste primeiro post. Hora de falarmos de:

Clique na imagem para ampliar

Comentários (cof, cof) edificantes da Lan House:

Esta foi mais fácil pra mim, porque só fiz parte mesmo da Ku-Klux-Klan, do popularíssimo Omolokó (que dispensa apresentações) e, é claro, de “Toda forma de idolatria”, item com o qual me identifiquei mais. Ah, quase ia me esquecendo da época em que me dediquei de corpo, alma e brinks ao “Catimbó” e aos “Meninos de Deus”, que faziam um sucesso estrondoso…

Sobre os meios de adivinhação que já consultei, os mais usados por mim sempre estiveram, felizmente, na média do resto da população: “Vísceras” e “Bacia de água”. Derramei muita água pra fora da bacia.

Já minhas experiências místicas foram mais tranqüilas: se resumiram a uma ou outra chave (eu gostava da Papaiz) e à necromancia, pois eu vivia consultando gemza morta. Apesar de só ter recorrido a essas duas técnicas mais moderadas, acabei vindo parar aqui no Purgatório, portanto, siliga: nem os vícios mais leves estão livrando a cara da galere, hein!

A genial “Ficha Libertação” prossegue xeretando investigando a fundo (beeeem fundo) a vida da gemza, sempre discreta e sem cometer exagero algum, acrescentando ainda muitos litruz – cataratas – de itens esdrúxulos absolutamente razoáveis. É o que veremos em breve. Até chegarmos à Parte 6, muita gargalhada água vai rolar debaixo dessa ponte. Não perdam!

Aleléx





Como perder a virgindade – Aula número 2

22 07 2008

Continuando nosso curso avançado de zéguizo para menines e menines virgens, veremos hoje algumas diferenças fundamentais entre a vida real e os vídeos pornôs, e alertaremos sobre a bagunça, a melecada e os pequenos acidentes que acontecem.

Clique aqui para a Aula número 1.

Pornografia e Realidade

É muito comum a gente assistir vídeos de zéguizo explícito e confundir o que vemos confortavelmente de fora com o que sentimos durante a prática saudável – porém solitária e potencialmente enganosa – do auto-be-bop-a-lula.

Por exemplo…

Você pode ter fetiche por cenas em que o menine põe o lulu dele no meio das peitcholinhas da menine, prática da brimks que atende pelo nome de “espanhola”. Digamos que você está assistindo isso confortavelmente num vídeo, enquanto faz seu auto-be-bop-a-lula na velocidade 5. Você conhece seu corpo, por isso, dará tudo certo. Mas a verdadeira “espanhola” dificilmente é prática, intensa e envolvente desse jeito. Na vida real, essa técnica pode simplesmente não ser nada do que você imagina. Talvez seja devagar demais, macio demais, sem jeito demais, e você acabe decepcionado.

Outro exemplo: pode ser que, nos vídeos, você adore ver a menine ou menine fazendo upa-upa-cavalinho no menine estando de costas pra ele. Assistir de fora duas pessoas fazendo isso pode parecer um ahazo na buatchy pra você, zuper zemzual. Mas, quando for a sua vez de estar ali deitado, sua visão será apenas as costas da menine ou menine, e, portanto, muito diferente de assistir ao vídeo, quando o estímulo visual (e físico) é bem mais privilegiado.

Portanto, siliga nessas diferenças:

  • Nos vídeos, as posições são adaptadas para deixar a miséria toda bem fotogênica para as câmeras. Na vida real, você vai estar tão próximo do menine ou da menine que, muitas vezes, não dará pra ver nada direito.
  • Na vida real, prepare-se para ser tudo mais suado, bagunçado, desajeitado e amarrotado do que em Hollywood ou nas misérias do Porn Valley. Prepare-se também para todo um mundo de cheiros e sabores diferentes ou inesperados, nem sempre excitantes.
  • De minha parte, nunca trepei estando debaixo dos lençóis. Simplesmente porque aqueles panos todos em cima da gente só servem pra atrapalhar e se meter onde não devem, ué!
  • Também acho que trepar de roupa não tá com nada (dificulta tudo, e o contato de pele com pele é insubstituível). O cinema e a TV mostram zéguizo com roupa o tempo todo. Mas eles têm motivos pra isso. Nós não!
  • Uma coisa que me deixa impressionado nos filmes é a chamada “penetração instantânea”. Hahaha! Como assim, gemza! Um menine e uma menine estão ali, bem à vontade, ainda vestidos, em alguma posição pré-zeguizual. A molier pode estar sentada no colo do menine (ela de calcinha, ele de cueca, lembre-se…), ou ele pode estar vindo por trás dela. A câmera só mostra o rosto dos dois. Então, ele faz um movimento súbito, a molier abafa um suspiro, ambos fecham os olhos e começam a bufar, e todo mundo percebe que o carinha conseguiu a façanha de iniciar um be-bop-a-lula nela! Sim, você percebeu o que quero dizer: na vida real não é assim não! É preciso tirar os panos e obstáculos todos do caminho, alinhar os instrumentos, o menine tem de estar com a bazuquinha dele hiper-bem armadinha, a molier precisa estar toooda molhadinha litrus já, e não raro ele ou ela tem de guiar o lulu com as mãos. Pffffff!

Agora que você já siligou em algumas diferenças entre a vida real e a ficção, siliga naqueles momentos meio “epa-opa-desculpe-perdão-com-licença” – alguns involuntariamente cômicos – que são zuper comuns mas ninguém comenta.

Pois na primeira vez é muito provável que role um ou mais desses…

Pequenos acidentes

  • Algum fio de cabelo ou de pentelho pode ficar preso em algum lugar ou ser arrancado acidentalmente, dando aquela fisgadinha inesperada. Um fio de cabelo ou pentelho provavelmente vai acabar na sua boca.
  • Um dos dois pode perder o equilíbrio na hora de mudar de posição e cair (p.ex., quando ela ou ele, sentadinha ou sentadinho de frente pra você, quiser girar para fazer upa-upa-cavalinho de costas).
  • O contato da pele suada, às vezes recém-depilada, roçando litrus na pele do menine ou da menine pode causar irritação e ficar tudo vermelho.
  • Você pode dar uma cabeçada na cabeceira da cama, hahaha!
  • Seus joelhos e cotovelos podem ficar doloridos depois de um tempo por causa do atrito no lençol, no tapete ou no chão.
  • A menine ou menine estando de quatro e você atrás, o lulu pode escapulir de repente e você dar uma pimbada di cumforça pelo lado de fora. Isso pode machucar e dobrar um pouco seu lulu.
  • Se a menine ou menine estiver fazendo upa-upa-cavalinho em você e o seu lulu escapulir de repente na hora da subida, na hora da descida seu lulu pode ser pego desprevenido e… bem, quebrar o pau. Em geral, o pobre lulu vai dobrar na velocidade da luz e ficar doendo um minutinho. Na pior das hipóteses (mas é raro), pode haver um rompimento de tecidos e aí é fim de festa e pronto-socorro.
  • Você pode cair da cama, bater com o cotovelo na parede ou na mesinha de cabeceira, derrubar o abajur ou alguma miséria desse tipo. Recomendamos ter senso de humor, falar “nemli” e seguir em frente.
  • Podem rolar arranhões, hematomas, puxões de cabelo (até de propósito), marcas de dentes etc. Mas a idéia (também) é (muito) essa. Sijoga!

A Melecada

Provavelmente você já sabe disso, mas zéguizo é uma melecada só; esqueça a assepsia perfeita e a arrumação de hotel 18 estrelas que você vê nos filmes:

  • A primeira melecada, evidentemente, é subir a temperatura corporal e ficar todo mundo suado igual um pangaré albino do brejo no cio.
  • O meladinho da lelé da menine vai escorrer e lambrecar o lençol. Parte da munição do menine também pode acabar nos lençóis depois que ele retirar a camisinha. O chão vai ficar coberto de capinhas de preservativos. O casalzinho pode se entusiasmar nos beijos e deixar a cara um do outro toda babada.
  • Um dos dois pode deixar escapar uma peida destruidora da camada de ozônio no meio dos be-bop-a-lulas. Hihihi.
  • Às vezes, quando o lulu sai da lelé e a menine muda de posição, a lelé dela pode soltar tipo uma peida também. Huhuhu.
  • Se você usar os dedos pra fazer brimks na lelé da menine, eles vão sair de lá tooodos lambrecadinhos. Litruz! Você pode ter de limpar na própria perna, ou no lençol mesmo, tipo guardanapo da brimks. Etiqueta pra que, né, minha gemza. Só não limpe na perna dela, ficadica. Hohoho!
  • Se a menine estiver menstruada e vocês forem fazer zéguizo… é melhor ser romântico, cavalheiro (ou uma dama) ou ter imaginação de Júlio Verne.
  • No zéguizo anal, se não rolar uma limpezinha básica antes, a menine ou menine pode passar cheque no seu lulu. Sim, estamos falando de popô no pupu. Go xuca!
  • Se o zéguizo todo tiver sido lecaus litrus e cheio de emoção e alegrias sem ter fim, ao terminarem vocês vão estar suados (ou suadas), cansados e talvez um pouco tontos. Vão estar descabelados, o rosto vermelho, haverá pentelhos e fios de cabelo grudados pelo corpo, a menine vai ter um pouco do meladinho dela escorrendo pelo pátio da brinks e o menine vai ter um filete do meladinho dele escorrendo da bazuquinha. Haverá pelo menos uma embalagem rasgada de camisinha no chão, os lençóis, travesseiros e fronhas vão estar amarrotados, melados e espalhados por toda parte, e em cima da cama haverá uma ou mais pocinhas da brimks. Se vocês ficarem um tempo juntinhos e abraçadinhos, ou abraçadinhas, estarão peguentos e grudentos, e, quando se afastarem, vai dar aquela sensação de adesivo sendo puxado, sabe? Ain. É meio nojentinho mas é ótimo! rs

E aqui encerramos a aula de hoje. Em nossas próximas aulas, falaremos mais sobre a armação da bazuquinha do menine, sobre a lelé da menine e suas lelezices, auto-be-bop-a-lula do menine e da menine, menine com menine, e muito mais. Stay tuned!

Aleléx

(Tradução e adaptação exclusivas do Lan House do Purgatório sobre The Virgin’s Guide)

.
Add to FacebookAdd to DiggAdd to Del.icio.usAdd to StumbleuponAdd to RedditAdd to BlinklistAdd to Ma.gnoliaAdd to TechnoratiAdd to FurlAdd to Newsvine