Menines querem ser livres – Parte 2

4 09 2008

A Lan House do Purgatório orgulhosamente traz pra vocês hoje a segunda parte da série “Menines querem ser livres”, baseada na obra-prima imoral imortal (e absolutamente autêntica!) “Ficha Libertação”, com mais uma leva impressionante de pecados cabeludos – a maioria dos quais você nunca nem pensou em cometer, é claro -, mas que, mesmo assim, não custa nada conhecer que é pra garantir sua salvação, colhega!

E se por acaso você cometeu algum, aproveita que a hora é essa! Marque xizes e se liberte! Sem mais rodeios, com vocês, a segunda parte da série que vai libertar a galere:

(ATENÇÃO: Os prints que você verá abaixo são absolutamente autênticos. A Ficha Libertação pode ser encontrada para download na Internet)

Clique no link miserável para ver: Atividades Místicas e Tratamentos que já fez ou com que se envolveu

Admito (não sem o remorso mais pungente) que, da lista de heresias apresentadas, já fiz “relaxamento mental (com músicas que levam à passividade)”, e não me orgulho disso. =(

Também já recorri muito a “garrafadas” (mas nunca com garrafa pet!) e fui um praticante inveterado de “levitação” (só no rasante bobo, sem maiores pretensões).

Aconselho a galere a confessar todas as atividades místicas e tratamentos com que se envolveu sem nem pestanejar porque atrocidades como “fitoterapia” e “Silva Mind” nem dão direito a apelação de Maria, hein!

Mais abaixo, temos:

Clique no link miserável para ver: Possui (ou possuiu) amuletos, patuas, talismãs, feitiches (sic)

Da sortida lista de amuletos e talismãs, cito apenas os três que sempre me foram mais caros ao coração: “Guinomos” (sic), “Tartaruga Ninja” (sic!!!) e a minha boa e velha “palmilha magnética”.

Tenho certeza que numa lista tão bizarra abrangente como essa, você, leitor do Lan House do Purgatório, marcará muitos xizes miseráveis também!

Seguindo em frente:

Clique no link miserável para ver: Você  é admirador, fez algum pedido ou teve contato com…

Pô, quem é que já não teve contato, já não admirou litruz, já não fez algum pedido a uma boa ninfa? Um bom gnomo? Um belo silfo? Um verde, esquelético e cabeçudo extra-terrestre? Claro, eu também.

Na seqüência:

Clique no link miserável para ver: Banhos que tomou

Agradeço à discrição da Ficha, que não pergunta *com quem* já tomei banho. Folgo em dizer que esse item pra mim foi fácil de preencher: já tomei banho de “7 legumes”, de “7 verduras” e de “ondas”. Sim, de ondas! A ficha pergunta “quantas?”, mas eu não me lembro, só sei que foram vááááárias ondas e eu tava *muito* lóki do meu cu.

Neste item também marquei um xiszinho em “Foi médium, cavalo, ou aparelho de (espíritos incorporados)”, porque volta e meia eu dou passagem a Xuquinha, a Moninha Camarada, uma trava penada que me acompanha (ela e a Mona Penada de Luddie são colhegas no astral) e que me faz escrever coisas que não quero e usar emoticons miseráveis no msn. Sim! Psicografo emoticons! Ainda te exorcizo Xuquinha, sua trava peralta!

A seguir temos:

Clique no link miserável para ver: Arriou ou ajudou a fazer trabalhos nos seguintes lugares

Arriar, nunca arriei, mas já fiz litruz de trabalhos nos seguintes lugares: no “lodo”, na “sarjeta” e “fora do país”; mais especificamente, na Birmânia, mas essa é uma outra história.

A Ficha também pergunta se fiz algum tipo de pacto com satanás ou com seus demônios. Bem, pacto, paaaacto mesmo, não. Mas já fizemos negócios sem compromisso, e eu ainda dei calote! hihihi

Ainda bem que a Ficha taí pra me salvar, credo!

Seguindo adiante, nos deparamos com:

Clique no link miserável para ver: Praticou matança humana em sacrifício? Para qual entidade?

Matança humana já, é claro, mas “para qual entidade”, pô, aí é pedir demais. Impossível lembrar de todas. Mais embaixo, devo confessar que já fiz “Nucanda Cangongo (cerimônia com duração de um ano, das quais participam crianças de 8 a 18 anos,  onde fazem circuncisão nos garotos e permitem possuir mulher que quiserem)“. Me permitiram possuir mulher que eu quiserem, foi zeniau. Quando se tem apenas 8 anos, isso faz diferença. Finalizando esta parte da ficha, minha honestidade não me permite deixar de mencionar que também já fiz a “Cerimônia dos inhames novos”, um troço muito louco e que nem dá muito certo (os inhames são novos demais), mas, enfim… c’est la vie.

Concluindo este post absolutamente instrutivo e libertador, chegamos ao sensacional:

Clique no link miserável para ver: Entidades diversas com que se envolveu

Por ser um dos itens mais longos e paranóicos instrutivos da Ficha Libertação, limitar-me-ei a assinalar apenas algumas das dezenas de entidades com quem já bebi Pitu e fumei zuntinhos, eu e a entidade (citarei apenas aquelas com quem tive o papo mais agradável, com quem dei as risadas mais gostosas, com quem, enfim, rolou aquela amizade especial):

Dentre as pombajiras: era bacana litruz com a “7 maridos” e a “Mariazinha (mirim)” – um encanto.

Dentre os exus: companheiraços o galhofeiro ever “Queima-pemba”, o debochado ever “Exu Lagosta” e o zombeteiro ever “Arranca-toco”.

Dentre os caboclos/índios: happy-hours memoráveis com a “Iara”, a “Jupira” e o “Saci”. Ríamos tanto, gemza! Só no chope e tira-gosto.

Bem, galere. Por hoje é só. Confessaram tudo? Marcaram xizes? Olia a libertação!

Em nosso próximo post da série ainda falaremos de diversos vícios gosmentos, sentimentos pegajosos, perdições nozentas, maldições hereditárias (ééé!), enfim, misérias sem ter fim. Pra libertar, hein! Não perdam.

Aleléx

Anúncios